Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP)

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Síndrome dos Ovários Policísticos

A Síndrome dos Ovários Policísticos, também conhecida pela sigla SOP, é uma doença de caráter endocrinológico.

De maneira simplificada, ela é causada pelo aumento dos hormônios tipicamente masculinos nas mulheres em idade fértil. Estimativas apontam que a doença acomete entre 5 e 18% delas.

Pacientes com essa síndrome geralmente apresentam outras condições clínicas associadas como: hipertensão arterial, obesidade, dislipidemia (colesterol elevado ou diminuição dos níveis de HDL no plasma) e alteração da glicose. Pelo menos metade das mulheres com SOP também manifestam resistência insulínica.

Por ser uma síndrome que acarreta outras complicações para a saúde, seu diagnóstico e tratamento adequado são de suma importância.

Quais são os sintomas?

Pacientes que sofrem da Síndrome dos Ovários Policísticos costumam ter dois ou três dos seguintes sintomas:

  • irregularidade ou ausência da menstruação
  • excesso de peso
  • aumento dos ovários com presença de microcistos
  • queda de cabelo
  • hirsutismo (excesso de pelos nos seios, rosto e barriga)
  • ausência de ovulação
  • problemas de fertilidade
  • acne

Quais são as causas?

Pouco se sabe sobre os motivos que desencadeiam a SOP, mas os estudos desenvolvidos por especialistas apontam a resistência insulínica e hiperinsulinemia (aumento da produção de insulina pelas células pancreáticas) como fatores-chave na alteração hormonal e desequilíbrio na normalidade da ovulação, característica da síndrome.

Entretanto, existem indícios de que fatores genéticos influenciam no desenvolvimento da doença.

Para que a síndrome ocorra, acontecem dois processos indissociáveis: a produção de andrógenos (hormônios masculinos) pelos ovários e a não liberação dos óvulos, que acabam por formar cistos.

Com o aumento da testosterona no organismo, pacientes passam a acumular massa gorda (lipogênese), que se concentra principalmente na região abdominal. Essa conjuntura piora a resistência à insulina e potencializa o ganho de peso.

Em outras palavras, quanto maior o hiperandrogenismo, maior o ganho de peso e maior a resistência insulínica.

Tais aspectos interligados resultam em um agravamento de todo quadro clínico.

Quais são os riscos?

Por envolver hiperandrogenismo e resistência insulínica, a SOP pode causar o desenvolvimento de diabetes mellitus tipo 2 e doenças cardiovasculares.

A hiperinflamação a nível celular que essa condição provoca é capaz de prejudicar, inclusive, as funções autoimunes e possibilitar o desenvolvimento de doenças respiratórias, complicações na tireoide e carcinomas.

Importante lembrar que os riscos citados dependem, evidentemente, da complexidade em que a SOP se manifesta na mulher.

Qual é o tratamento?

A perda de peso é o primeiro passo para tratar os sintomas. Exercícios físicos e uma mudança nos hábitos alimentares são recomendados.

Ao reduzir o peso corporal em 5-10% as melhoras já são visíveis, como o aumento da sensibilidade à insulina e diminuição do risco de doenças cardiovasculares.

Há casos em que medicamentos são receitados para diminuir a intensidade dos sintomas da acne e hirsutismo.

Ao realizar um tratamento adequado, mais da metade das pacientes voltam a ovular.

A cura da Síndrome dos Ovários Policísticos até agora não foi descoberta, entretanto, ao controlar os sintomas existe a possibilidade de prevenção das demais condições clínicas associadas.

Fique atenta aos sinais que seu corpo lhe envia. Procure um médico de sua confiança caso perceba qualquer alteração no funcionamento normal do seu organismo e faça sempre os exames de rotina.