Pólipo Endometrial e Pólipo Endocervical – Entenda a Diferença.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
pólipo endometrial e pólipo endocervical

Os pólipos, quando se desenvolvem no aparelho genital feminino são, na maioria das vezes, lesões benignas com baixo potencial de malignização. Há dois tipos deles: pólipo endometrial e pólipo endocervical. Neste artigo iremos explicar quais são suas características e a diferença entre eles.

Diferença da localização de pólipo endometrial e pólipo endocervical

Pólipo Endometrial

Os pólipos endometriais são, como o próprio nome sugere, as lesões que desenvolvem-se no endométrio e, portanto, localizam-se na cavidade uterina.

Eles são constituídos a partir do crescimento indevido das glândulas endometriais e do estroma, tecido que sustenta e nutre órgãos, glândulas ou demais formações que apresentam algum mal funcionamento. 

Tais formações respondem a estímulos hormonais, principalmente do estrogênio, fator que não ocorre nos pólipos endocervicais.

Os pólipos endometriais costumam surgir durante a menopausa e depois dela, mas também podem acometer mulheres em idade reprodutiva. Em muitos casos os pólipos endometriais são assintomáticos, o que dificulta o diagnóstico e impede a elaboração de uma estimativa da prevalência da doença.

No entanto, quando os sintomas se manifestam, os mais comuns são:

  • Sangramento uterino anormal;
  • Cólicas menstruais intensas;
  • Corrimento com mau odor;
  • Aumento do fluxo sanguíneo menstrual;
  • Infertilidade.

O Diagnóstico

Os exames indicados para realizar a avaliação dos quadros de pólipos endometriais são a ecografia, a histerossonografia e o ultrassom transvaginal. Quando esses exames indicam a possibilidade de malignidade dos tumores, a histeroscopia para biópsia é indispensável. Felizmente, em mais de 90% dos casos, os pólipos não são pré-cancerígenos.

O Tratamento

O tratamento dos pólipos endometriais é cirúrgico, sendo a melhor técnica para a retirada das lesões a histeroscopia.

É realizada a sedação da paciente e o colo uterino é dilatado para que seja colocada uma câmera no interior do útero. Com o auxílio de um ressectoscópio, os pólipos podem ser retirados por completo. 

Esse tipo de procedimento apresenta ínfima taxa de complicação, portanto, é muito seguro. Não há cortes, nem cicatrizes e a paciente recebe alta hospitalar no mesmo dia. O retorno para as atividades cotidianas, por sua vez, pode ocorrer já no dia seguinte ao procedimento.

Pólipo Endocervical

Os pólipos endocervicais, também chamados de pólipos cervicais, são aqueles que se desenvolvem no colo do útero. Consistem no crescimento desordenado de tecidos comuns e também são, na imensa maioria dos casos, lesões benignas.

Podem ser originados por infecções ou inflamações crônicas. Estimativas apontam que eles acometem entre 2% a 5% das mulheres.

Grande parte dos pólipos endocervicais também não apresentam sintomas. Todavia, quando há manifestações sintomáticas, costumam ser as seguintes:

  • Sangramento entre os ciclos menstruais;
  • Secreção vaginal purulenta (casos raros);
  • Sangramento após as relações sexuais.

Diagnóstico

O diagnóstico pode ser realizado durante um simples exame pélvico no próprio consultório médico.

Tratamento

Os pólipos endocervicais causadores de sangramentos ou secreções purulentas podem ser removidos durante o exame pélvico sem a necessidade de nenhum tipo de anestesia.

Raramente ocorrem sangramentos após o procedimento de remoção das lesões. Caso aconteçam, o sangramento é interrompido com substâncias cáusticas, como o nitrato de prata.

Esperamos que esse conteúdo sobre pólipo endometrial e pólipo endocervical tenha sido de grande valia. 

Lembre-se de consultar seu médico de confiança ao menor sinal de que algo não vai bem em seu organismo. 

Compareça às consultas de rotina e mantenha bons hábitos alimentares e uma rotina adequada de exercícios físicos.

A sua saúde deve ser tratada como prioridade, sempre.