7 Mitos Sobre a Endometriose

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
7 mitos sobre a endometriose

Neste artigo iremos apresentar alguns mitos sobre a endometriose. Confira!


Existem muitos mitos sobre a endometriose e equívocos espalhados sobre a doença. Vamos dar uma olhada nos mitos contra os fatos!


Mito nº 1: a endometriose só se desenvolve após os 30 anos.

A faixa etária com a maior incidência de endometriose tem sido ligeiramente debatida, no entanto, a maioria dos especialistas concorda que as mulheres em idade reprodutiva, cerca de 25-40 anos, são as mais comumente afetadas pela doença. 

Apesar disso, a endometriose pode ser diagnosticada em diferentes períodos ao longo da vida, incluindo a adolescência e a menopausa. Entretanto, o diagnóstico antes da puberdade e pós-menopausa é raro. Estima-se que quase 70% de todas as mulheres com endometriose começaram a apresentar sintomas antes dos 20 anos.

Mito nº 2: Mulheres com endometriose não podem ter filhos.

Estima-se que 20-50% das mulheres com infertilidade são diagnosticadas com endometriose, no entanto, nem todas as mulheres com endometriose são inférteis.

Em alguns casos, a endometriose pode diminuir as chances de uma mulher engravidar, mas ela ainda pode conceber. Em outros casos, a fertilidade da mulher pode não ser afetada de forma alguma. 

O impacto na fertilidade como resultado da endometriose pode variar significativamente de pessoa para pessoa. Muitas mulheres com endometriose recorrem a tratamentos que melhoram a fertilização, engravidam e dão à luz bebês saudáveis. Alguns desses métodos incluem terapia hormonal, cirurgia para remover cistos ou lesões que afetam a fertilidade, inseminação intrauterina ou fertilização in vitro.

Mito nº 3: Ter filhos evita a endometriose.

Ter filhos é um fator de proteção para endometriose. Fatores de proteção são coisas que diminuem o risco de um indivíduo de desenvolver uma condição ou que diminuem o impacto negativo de um fator de risco.

É importante observar que possuir um fator de proteção para uma doença, como ter um ou mais filhos no caso de endometriose, não garante a prevenção da doença. Indivíduos com um ou mais fatores de proteção para uma condição ainda podem desenvolver a condição. Nesse caso, ter filhos pode reduzir o risco de uma mulher desenvolver endometriose, mas não é garantido.

Portanto, devemos ter cuidado ao reproduzir esse e outros mitos sobre a endometriose.

Mito nº 4: a endometriose nunca desaparece sem tratamento.

A endometriose e os sintomas que a acompanham podem variar de pessoa para pessoa. Para algumas mulheres, o alívio dos sintomas da endometriose acompanha a gravidez, para outras, os sintomas parecem diminuir após a menopausa.

Ocasionalmente, os sintomas podem desaparecer por conta própria, enquanto em outros casos, o alívio espontâneo pode nunca ser experimentado. É importante não esperar alívio espontâneo da endometriose ou alívio garantido pós-menopausa e continuar a trabalhar com sua equipe de saúde para descobrir quais opções de tratamento podem ser melhores para você.

Mito nº 5: Lesões de endometriose tornam-se cancerosas.

A endometriose é frequentemente associada a um aumento no risco de desenvolver certos tipos de câncer, incluindo câncer de ovário; no entanto, a relação exata entre os dois não é bem compreendida.

Alguns especialistas acreditam que as lesões de endometriose atípicas ou endometriomas (cistos nos ovários) podem eventualmente se transformar em massas cancerosas. Algumas das teorias por trás desse processo raro e lento são que a endometriose leva à inflamação constante que, por sua vez, pode promover o desenvolvimento do câncer; bem como os desequilíbrios hormonais ou problemas relacionados ao sistema imunológico que também podem permitir o desenvolvimento de malignidades.

Como mencionado, essa ocorrência é rara e sua probabilidade pode variar muito de pessoa para pessoa, uma vez que há uma variedade de outros fatores que podem aumentar o risco de desenvolver câncer. Para obter informações mais precisas sobre seu risco pessoal, consulte seu médico ou equipe de saúde.

Mito nº 6: a dor pélvica relacionada à endometriose ocorre apenas durante a menstruação.

Dor relacionada à endometriose, especificamente dor pélvica, pode acontecer a qualquer momento em mulheres com a doença. Essa dor não é exclusiva da menstruação. 

A dor pélvica pode ocorrer em todo e qualquer ponto do ciclo menstrual da mulher, bem como durante o sexo. Além disso, as mulheres com endometriose podem sentir dor pélvica crônica generalizada, bem como desconforto gastrointestinal ou problemas intestinais, dependendo das estruturas afetadas por sua endometriose. 

A dor pélvica para mulheres com endometriose pode ser severa e crônica, virtualmente inexistente ou qualquer variação intermediária. É importante notar, porém, que a severidade da dor pélvica experimentada frequentemente não se correlaciona diretamente com o quão severa é sua endometriose. 

Por exemplo, uma mulher com dor pélvica intensa pode ter lesões de endometriose superficiais leves, enquanto uma mulher sem dor pode ter uma forma muito intensa ou profunda da doença.

Mito nº 7: Endometriose é uma IST.

Esse é mais um dos mitos sobre a endometriose que prejudica bastante as pacientes.

A endometriose não é uma infecção sexualmente transmissível nem uma infecção sexualmente transmissível. Embora a endometriose possa ter sintomas semelhantes a algumas infecções sexualmente transmissíveis comuns (como dor pélvica ou dispareunia) e afete o sistema reprodutor feminino, ela não é causada pelo sexo nem por encontros sexuais. 

A causa exata da endometriose é desconhecida, no entanto, existem várias teorias comuns sobre os motivos da condição ocorrer, incluindo fluxo sanguíneo menstrual retrógrado, fatores genéticos, desequilíbrios hormonais, problemas relacionados ao sistema imunológico e transporte de células endometriais, entre outras teorias.

É fundamental procurar uma equipe médica de sua confiança sempre que tiver qualquer dúvida. Não deixe para cuidar da sua saúde mais tarde. Tenha cuidado com os mitos sobre a endometriose e priorize seu bem-estar.