Menopausa. E agora?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Menopausa. E agora?

O que é a menopausa?

A menopausa é a interrupção permanente dos ciclos menstruais. Algo que ocorre com todas as mulheres, por volta dos 50 anos de idade.

É nessa época da vida que os ovários suspendem a produção dos hormônios progesterona e estrogênio. Os efeitos sentidos podem variar, mas via de regra incluem:

  • irritabilidade
  • ondas de calor (fogachos)
  • secura vaginal
  • diminuição da atenção e memória
  • alterações no padrão de sono
  • envelhecimento da pele
  • perda de massa óssea
  • suores noturnos
  • dor nas articulações
  • diminuição da libido

É comum que algumas mulheres sintam-se confusas durante essa fase de adaptação. Por isso existem alguns tratamentos que visam proporcionar uma transição menos difícil.

Os tratamentos

Os tratamentos disponíveis são divididos em duas categorias, os comportamentais e os medicamentosos. Ambos podem ajudar bastante no combate aos sintomas.

No aspecto comportamental, são indicados exercícios físicos regulares e alimentação balanceada para manter o peso dentro de patamares satisfatórios. Encontrar um hobby ou dedicar-se àqueles que você já possui também pode ser de grande ajuda.

Quanto aos tratamentos com medicamentos, dependem bastante de quais sintomas incomodam mais a paciente.

Alguns recursos terapêuticos incluem reposição hormonal, prescrição de antidepressivos, fitoterapia e cremes vaginais.

Terapia Hormonal

A terapia hormonal inclui a administração de estrogênio e progesterona, justamente os hormônios que os ovários param de produzir após a menopausa.

Para aplacar os principais sintomas, o estrogênio é o hormônio indicado, enquanto que para as mulheres que possuem útero, a progesterona é recomendada para a prevenção do câncer de endométrio.

Recomenda-se o uso desses recursos terapêuticos hormonais por um tempo menor que cinco anos. Assim é possível evitar os impactos que o uso dos medicamentos podem ter a longo prazo no organismo das pacientes, como desenvolvimento de tromboembolismo e do câncer de mama.

Muitas vezes a interrupção do tratamento hormonal se faz necessária devido aos seus efeitos colaterais que incluem: dores de cabeça e nas mamas, sangramento vaginal irregular e inchaços pelo corpo.

A principal atitude para que essa fase seja mais tranquila é reconhecer os sintomas o mais cedo possível e, assim que forem reconhecidos, procurar ajuda médica.

Não se esqueça: hábitos de vida saudáveis são essenciais.

Marque uma consulta, converse com um profissional da área e tire suas dúvidas.

A Clínica Ayroza Ribeiro está aqui para ajudá-la.