Fatores de Risco dos Pólipos Endometriais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Fatores de Risco dos Pólipos Endometriais

Conheça um pouco mais sobre os fatores de risco dos pólipos endometriais

Pólipos uterinos ou endometriais, consistem em diminutos tumores que são, na imensa maioria das vezes, benignos.

Essas lesões crescem dentro da cavidade uterina, aderidos ao endométrio e podem causar incômodos, como cólicas severas e sangramentos uterinos anormais. Todavia, existem muitos casos em que a paciente é assintomática, ou seja, não apresenta nenhum tipo de sintoma. 

Via de regra, os pólipos aparecem solitários, enquanto a ocorrência de lesões múltiplas acomete uma a cada cinco mulheres.

Fatores de Risco

A ciência ainda não tem uma resposta exata para explicar as causas do surgimento dos pólipos endometriais. Porém, grande parte dos profissionais da saúde especializados nessa condição clínica sugerem a hipótese de que os pólipos ocorrem a partir de um desequilíbrio hormonal decorrente de fatores hereditários.

Ademais, outros aspectos relacionados ao estilo de vida e condições de saúde podem ser definitivos para que os pólipos se manifestem.

Alguns desses aspectos são os seguintes:

  • obesidade;
  • hipertensão arterial sistêmica;
  • tratamentos de reposição hormonal;
  • uso de medicamentos moduladores de hormônio.

Diagnóstico e Tratamento

Para fazer a correta identificação dos pólipos, normalmente o médico solicita uma histeroscopia diagnóstica ou uma ultrassonografia transvaginal.

No que diz respeito aos tratamentos, diferentes ações podem ser adotadas, a depender da gravidade do quadro e das características de cada paciente.

Mulheres em idade reprodutiva com lesões únicas, pequenas (menores que 15 milímetros)  e que não apresentam risco de malignidade, podem ser aconselhadas a adotar a conduta expectante. Em outras palavras, a sugestão nestes casos é aguardar e apenas monitorar o quadro clínico para compreender melhor seu desenvolvimento.

Caso a conduta expectante seja a alternativa escolhida, recomenda-se que todos os exames necessários sejam realizados ao menos uma vez por semestre.

As pacientes com manifestação de pólipos uterinos e que já passaram pela menopausa requerem uma atenção especial, pois as chances da lesão desenvolver malignidade são maiores nas mulheres com tais características.

No caso das mulheres que estão nesse grupo de risco e demais pacientes com sintomatologia incapacitante e pólipos maiores que 15 milímetros, a recomendação é realizar a polipectomia, ou seja, a retirada dos pólipos.

Para tanto, existem modernas técnicas cirúrgicas que possibilitam procedimentos minimamente invasivos e oferecem resultados extremamente satisfatórios.

Reincidência

As chances dos pólipos voltarem a ocorrer após a remoção são pequenas, mas existem.

Em alguns casos específicos e de recorrência persistente, a histerectomia (retirada do útero) pode ser indicada. Porém, por ser uma decisão irreversível, é fundamental levar em consideração a vontade da paciente de ainda exercer sua maternidade e demais fatores particulares.

É fundamental levar o acompanhamento ginecológico a sério, comparecendo às consultas e exames de rotina. 

Cultivar hábitos saudáveis, aprimorar a alimentação e o condicionamento físico são atitudes altamente recomendáveis para prevenir ou evitar o reaparecimento dos pólipos endometriais.

Em caso de dúvidas entre em contato com seu médico de confiança.