Endometriose na Gravidez

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Endometriose na Gravidez

Saiba mais sobre os impactos da endometriose na gravidez com a leitura desse artigo

A endometriose é uma doença caracterizada pela presença de um tecido semelhante ao endométrio, que reveste o útero para prepará-lo para uma possível gravidez, fora da cavidade uterina.

Quando ocorre esse crescimento indevido em locais como abdômen, intestino, bexiga e ovários, a sintomatologia pode ser muito incômoda e inclui menstruação abundante, dores pélvicas intensas e até infertilidade.

Como a gravidez pode impactar na endometriose?

Há mulheres que experimentam uma piora dos sintomas da endometriose no início da gravidez e, conforme a gestação avança, o comum é que a sintomatologia fique menos severa. Inclusive, em alguns casos, pode ocorrer a regressão do quadro clínico.

Entretanto, não há uma compreensão bem definida dos motivos dessa melhora que a gravidez pode trazer para pacientes com endometriose. As hipóteses mais plausíveis levam em consideração os altos níveis de progesterona no organismo da mulher durante essa fase. A presença do hormônio pode contribuir para desacelerar o crescimento das lesões endometriais, deixando-as menos ativas. A ausência da menstruação durante a gravidez é outro fator que pode colaborar para a melhora do quadro endometriótico.

A amamentação, por sua vez, inibe a liberação de estrogênio pelos ovários, o que acaba por suprimir a ovulação e, consequentemente, o desenvolvimento da endometriose.

É importante ressaltar que tais efeitos benéficos que a getação e lactação podem proporcionar são temporários. A endometriose tende a voltar após esse período, às vezes, com mais intensidade.

Quanto à piora dos sintomas da endometriose no início da gravidez, pode estar relacionada ao crescimento uterino que às vezes causa distensões nas lesões, ou mesmo aos altos níveis de estrogênio no organismo, característicos do começo da gestação.

A endometriose dificulta a gravidez?

Existem alguns casos em que a endometriose pode tornar a gestação mais difícil de acontecer. Isso ocorre, geralmente, quando o tecido semelhante ao endométrio fica instalado nas trompas e seu desenvolvimento acaba por inviabilizar a passagem do óvulo para o útero, o que impede a fecundação.

Porém, há mulheres diagnosticadas com endometriose que conseguem engravidar naturalmente. Nesses casos os ovários e trompas não são afetados pela enfermidade e a fertilidade é preservada. Todavia, algumas pacientes podem precisar de tratamentos para ovulação ou mesmo recorrer às técnicas de reprodução assistida.

A ocorrência de endometriose profunda ou grave pode levar uma gestação a ser considerada de risco. O mais indicado para as mulheres que desejam engravidar, mas foram diagnosticadas com a doença, é iniciar o tratamento antes de começarem as tentativas de concepção.

Nos casos em que o diagnóstico de endometriose é feito durante a gestação, o obstetra deve dispensar atenção especial e pedir exames ginecológicos específicos para a prevenção de complicações indesejadas.

Busque sempre o auxílio de seu médico de confiança ao sentir qualquer sinal de que algo não vai bem em seu organismo. Um diagnóstico precoce é fundamental para melhores resultados no tratamento.