Endometriose e a Síndrome do Intestino Irritável

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Endometriose e a Síndrome do Intestino Irritável

Neste artigo iremos apresentar as correlações entre a endometriose e a síndrome do intestino irritável. Confira!

A endometriose muitas vezes pode estar relacionada a outras enfermidades, como acontece com a Síndrome do Intestino Irritável, também conhecida pela sigla SII. A combinação dessas duas condições prejudica sobremaneira a qualidade de vida das pacientes.

Uma pesquisa realizada por profissionais especializados em saúde feminina, em parceria com o Gapendi (Grupo de Apoio à Portadora de Endometriose e Infertilidade), indicou que 38% das mulheres entrevistadas apresentaram a SII como comorbidade da endometriose.

A dor pélvica crônica e a inflamação são sintomas manifestados por ambas as condições. No quesito prevalência, os números também são similares: a endometriose pode atingir entre 10 e 15% das mulheres em idade reprodutiva, enquanto a SII afeta entre 9% a 12,8%.

O lado positivo dessa correspondência é que muitas vezes, quando o tratamento para endometriose tem início, é comum que as pacientes apresentem também uma melhora significativa dos sintomas da SII. 

O mesmo pode ser observado na situação oposta, assim sendo, tratar a SII permite aliviar as dores pélvicas severas relacionadas à endometriose que acometem as mulheres durante a menstruação.

Portanto, quando uma paciente se queixa de diarreia, constipação, inchaço pélvico ou abdominal, é importante que sejam investigadas tanto a endometriose como a síndrome do intestino irritável. Afinal, em muitos casos, as pacientes recebem somente o diagnóstico da SII, e não consideram a possibilidade de que podem estar sofrendo também de endometriose.

A relação entre a endometriose e o intestino

A ciência ainda não descobriu exatamente qual é a causa da endometriose, entretanto, acredita-se que os gatilhos da doença podem ser multifatoriais.

Entre as possibilidades de origem da doença está a predisposição para que inflamações ocorram no organismo. Em outras palavras, as células análogas ao endométrio necessitam de um ambiente pró-inflamatório para que possam se desenvolver fora do útero e, dessa forma, dar início à inflamação que caracteriza a endometriose.

Logo, é significativo compreender que existe uma interdependência entre intestino e imunidade porque, muito além da digestão e assimilação dos nutrientes, o órgão também é responsável por proteger o corpo humano de toxinas e nutrientes mal absorvidos. As paredes intestinais, quando saudáveis, funcionam como uma barreira capaz de impedir a entrada desses agentes prejudiciais em nossa corrente sanguínea.  

A disbiose, caracterizada pelo desequilíbrio da microbiota gastrointestinal, é um dos fatores responsáveis por criar a condição pró-inflamatória citada anteriormente, Ao prejudicar a permeabilidade do intestino, a proliferação descontrolada de bactérias causa dificuldades na absorção de nutrientes e acaba por “estressar” o sistema imunológico que, ao detectar esses invasores, aciona o modo de defesa e desencadeia uma reação inflamatória.

Dessa forma, a inflamação facilita o desenvolvimento da endometriose e também da irritação do intestino.

Por causa dessa correlação, é fundamental aplicar uma abordagem multidisciplinar para tornar os tratamentos mais eficazes. Ginecologia, nutrição e fisioterapia têm um potencial incrível para os cuidados com a saúde feminina.

A Clínica Ayroza Ribeiro preza por esses valores e está sempre à disposição para tirar todas as suas dúvidas.