Endometrioma. Você sabe o que é?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Endometrioma. Você sabe o que é?

O endometrioma nada mais é do que a ocorrência de endometriose no ovário.

Quando tecidos ou glândulas endometriais não restringem sua presença à cavidade uterina e acabam por revestir outras partes do organismo, ocorre o que chamamos de endometriose.

Na maioria dos casos, o endometrioma não se manifesta de maneira isolada. Geralmente, quando há comprometimento do ovário pela endometriose, as células análogas ao endométrio também estão presentes no intestino, configurando muitas vezes quadros de endometriose profunda.

Endometrioma

Os principais sintomas de endometrioma:

As lesões causadas no ovário costumam ser de natureza benigna, entretanto as pacientes podem sentir severos incômodos e desconfortos. Alguns dos seguintes sinais podem ser indicativos de endometrioma:

  • dispareunia (dor durante as relações sexuais);
  • cólicas menstruais intensas ou mesmo incapacitantes;
  • presença de sangue nas fezes, principalmente durante a menstruação;
  • infertilidade.

O diagnóstico:

Para detectar a presença das lesões causadas pelas células endometriais no ovário é necessário, antes de mais nada, realizar uma consulta ginecológica.

Após a anamnese – entrevista realizada pelo médico à paciente – é bastante provável que alguns exames sejam pedidos.

A ultrassonografia transvaginal e a ressonância magnética costumam possibilitar a investigação e o diagnóstico da doença. 

Ao permitirem identificar a localização precisa dos pontos lesionados, tais exames também auxiliam a definir com assertividade o melhor tipo de tratamento.

Tratamentos para endometrioma:

O tratamento adequado de um endometrioma depende de muitos fatores como, a idade da paciente, a sintomatologia apresentada, a gravidade da doença e o desejo reprodutivo da mulher.

Em casos mais brandos, em que as lesões possuam menos de 3 cm, o tratamento com medicamentos pode ser recomendado para atenuar os sintomas e retardar ou diminuir o ritmo de desenvolvimento da doença. O mais comum é que esse tratamento paliativo seja indicado para mulheres que já passaram pela menopausa.

Lesões com mais de 4 cm, geralmente precisam ser retiradas por cirurgia laparoscópica, com técnicas minimamente invasivas.  

Em alguns casos mais extremos, a retirada do ovário pode se fazer necessária.

Endometrioma e Infertilidade

As lesões causadoras do endometrioma prejudicam o ovário e, consequentemente, a quantidade de óvulos produzidos pelo órgão diminui.

A cada mês que passa com a presença do endometrioma no organismo, a fertilidade da paciente sofre prejuízos e vai ficando cada vez mais comprometida. Quando há necessidade de intervenção cirúrgica, a própria cirurgia apresenta certo risco para a integridade do ovário.

Portanto, para pacientes que desejam engravidar, é possível que sejam recomendadas tentativas de iniciar uma gravidez o quanto antes. Todavia, se houver a possibilidade, a opção pode ser pelo congelamento de óvulos para que a paciente possa engravidar no futuro com o auxílio de técnicas de reprodução humana.

Tenha em mente que o diagnóstico precoce facilita o tratamento. Procure realizar sempre os exames ginecológicos de rotina e ir às consultas com regularidade.

Em caso de dúvidas, não hesite em pedir auxílio à sua médica ou médico de confiança.