Embolização de Miomas Uterinos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Embolização de Miomas Uterinos

Saiba mais sobre a embolização de miomas uterinos

É importante que sejam difundidas informações sobre as possibilidades de tratamentos ginecológicos menos invasivos, para que as mulheres não precisem se submeter a procedimentos agressivos e, em alguns casos, desnecessários.

A embolização de miomas uterinos é um desses métodos minimamente invasivos. Guiado por imagem, é capaz de tratar as lesões sem grandes riscos e proporcionar melhorias na qualidade de vida das pacientes.

Miomas uterinos geralmente acometem  mulheres entre 30 e 50 anos de idade e, na maioria dos casos, as lesões são pequenas e não apresentam grandes complicações ou sintomas.

Estimativas apontam que 30% das mulheres com mais de 35 anos possuem miomas, e aquelas que não engravidaram até essa idade apresentam maiores chances de desenvolver esse tipo de tumor benigno, bem como mulheres afro-brasileiras devido à questões genéticas ainda desconhecidas.

A embolização de miomas uterinos é uma técnica que, basicamente, obstrui as artérias que irrigam e nutrem as lesões. A partir de uma incisão de aproximadamente 2 milímetros na virilha, um cateter é conduzido pelas artérias com o auxílio da fluoroscopia digital, que permite a obtenção de imagens do sistema circulatório em tempo real, até atingir as artérias uterinas.

O bloqueio é então realizado com injeções de micropartículas de PVA (polivinil álcool) ou de resina acrílica, substâncias inofensivas ao organismo. Não há necessidade de anestesia geral para a realização do procedimento, sendo raquidiana ou peridural suficientes. O tempo de internação hospitalar costuma ser de apenas 1 dia.

Ilustração da embolização de um mioma uterino

Tais características diferem muito de intervenções cirúrgicas como a miomectomia (retirada dos miomas) ou histerectomia (retirada do útero). Nesses procedimentos o tempo de cirurgia e os riscos são maiores, assim como o afastamento das atividades diárias para recuperação que, em média, é de 40 dias.

A embolização é, portanto, um tratamento indicado para pacientes acometidas pelos miomas uterinos e que sofrem dores pélvicas, compressões de órgãos do assoalho pélvico e sangramentos volumosos que podem, inclusive, resultar em anemia.

O acompanhamento médico é imprescindível para poder compreender as características de cada quadro e escolher a alternativa de tratamento mais adequada. Portanto, procure um profissional da saúde de sua confiança e analise as condições clínicas e prognósticos para que a decisão tomada seja a melhor possível.