Dor Pélvica Crônica

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Dor Pélvica Crônica

A dor pélvica crônica é descrita como uma dor com duração de pelo menos três a seis meses, centralizada abaixo do umbigo e entre os quadris. Acredita-se que a dor pélvica crônica seja uma condição neuropática, o que significa que está relacionada aos nervos. 

A dor pélvica crônica pode ser o resultado de nervos que são excessivamente sensíveis e estão constantemente percebendo a dor, quando normalmente não deveriam. Ela também pode ser um sintoma de outra doença subjacente, como endometriose, síndrome do intestino irritável ou fibromialgia; no entanto, também pode ocorrer por conta própria sem uma causa identificável.

A intensidade e a percepção da dor podem variar muito de pessoa para pessoa. Algumas pacientes podem sentir uma dor intensa e implacável o tempo todo, enquanto outras podem sentir uma dor surda que vai e vem. 

Em alguns casos, a dor pélvica crônica pode ser aguda ou semelhante a uma cãibra, mas em outros pode ser mais uma pressão constante. Não existe um tipo de dor pélvica que todas as pessoas com dor pélvica crônica experimentem.

Possíveis causas de dor pélvica crônica

A dor pélvica crônica pode não ter causa aparente ou pode estar diretamente relacionada a outra condição subjacente. Os exemplos de condições que podem causar esse tipo de dor são numerosos e são divididos nos seguintes grupos:

  • Urológica: cistite intersticial, complicação de cirurgia urológica, cálculos renais ou urinários ou síndrome da bexiga dolorosa;
  • Vascular: síndrome congestiva pélvica em que o fluxo sanguíneo na pelve é afetado;
  • Músculo-esquelético: dor miofascial abdominal, fibromialgia, disfunção dos músculos do assoalho pélvico, hérnia ou inflamação da articulação pública;
  • Psicológico: depressão, ansiedade, outra doença mental ou história de trauma e / ou abuso;
  • Neurológico: Um problema geral na maneira como os nervos da pelve, da medula espinhal e do cérebro processam a dor nesta área do corpo.

No caso da endometriose, a dor pélvica crônica pode ser causada pela formação ativa, decomposição e sangramento das lesões da endometriose, mudanças no ambiente celular local em torno das lesões da endometriose (incluindo um aumento da inflamação devido a certos produtos químicos relacionados ao sistema imunológico) e infiltração ou irritação dos nervos na pelve por lesões de endometriose.

Avaliação

Avaliar a dor pélvica crônica pode ser um desafio, pois o foco principal é determinar a causa subjacente da dor entre muitas condições de apresentação semelhantes. Para fazer isso, é importante reunir as informações do histórico médico completo da paciente, incluindo informações sobre sua experiência atual de dor, histórico sexual, traumas anteriores, quaisquer medicamentos que estejam sendo administrados atualmente e muito mais.

Aprendendo mais sobre a própria dor, quando ela acontece e quais eventos levaram ao seu início, os profissionais de saúde podem começar a restringir a lista de causas potenciais. É provável que também peçam a realização de um exame pélvico para procurar sinais óbvios de um problema subjacente. 

Os exames e testes de diagnóstico subsequentes, como exames de sangue, exames de imagem ou cirurgia minimamente invasiva, como a laparoscopia, podem ser realizados com base no que os médicos suspeitam que seja a causa de sua dor.

Tratamento

A dor pélvica crônica pode ser tratada de várias maneiras, cada uma delas centrada em torno da causa subjacente da dor. Por exemplo, se a dor pélvica crônica de uma mulher é causada por uma doença inflamatória pélvica, que é uma infecção na pelve, ela pode receber medicamentos para tratar a infecção e reduzir a dor. Se a dor pélvica crônica de uma paciente estiver relacionada a uma doença mental ou trauma anterior, ela pode ser encaminhada para terapia ou aconselhamento. 

Agora, caso a dor de uma mulher esteja relacionada à endometriose, ela poderá se submeter a um tratamento para endometriose para ajudar no alívio dos sintomas. Isso pode incluir terapia medicamentosa ou remoção de lesões de endometriose por meio de laparoscopia, uma técnica cirúrgica minimamente invasiva.

Gerenciando a dor pélvica crônica

Além das opções de tratamento que os médicos descrevem com base na causa subjacente, existem algumas outras mudanças potenciais no estilo de vida e comportamento que podem ser feitas em busca de um pouco de alívio para a dor. Alguns deles incluem fisioterapia, acupuntura, práticas de alívio do estresse, técnicas de neuroestimulação, aconselhamento, grupos de apoio ou meditação.

Procure seu médico de confiança sem hesitar caso esteja sofrendo com dores pélvicas. Priorize sempre sua saúde e bem-estar.