Depressão Pós-Parto

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Depressão Pós-Parto

A depressão pós-parto, ou depressão perinatal, pode se manifestar ainda antes do parto e perdurar por alguns meses dele. A grande questão é que as causas desse distúrbio ainda não são compreendidas pelos especialistas.

Estatísticas apontam que cerca de 60% das mulheres demonstram ansiedade, inquietude e irritabilidade depois do parto. Entretanto, essa fase costuma durar pouco mais de de duas semanas, até que os níveis hormonais do organismo voltem a ficar estáveis.

Porém, aproximadamente 15% das puérperas são acometidas por uma tristeza profunda que parece não ter fim. É um momento delicado e difícil de compreender, pois geralmente as mulheres têm a expectativa de experimentar uma felicidade sem tamanho com a chegada da maternidade.

Os sintomas

A depressão perinatal está entre as principais complicações do parto e seus variados sintomas interferem no relacionamento com toda família.

Alguns dos sinais desta condição são os seguintes:

  • crise de choro;
  • anorexia;
  • insônia ou sonolência;
  • crises de pânico;
  • compulsão alimentar;
  • maior risco de prematuridade;
  • alterações emocionais;
  • indiferença e descuidos com o bebê;
  • perda da libido;
  • apatia.

Essas alterações no estado físico e mental da mãe podem ser nocivas também para o desenvolvimento neuropsicomotor do recém-nascido, que podem se manifestar apenas anos mais tarde. Em casos extremos de depressão perinatal existe o risco de suicídio.

É muito importante que obstetras e outros especialistas estejam atentos aos menores sinais de quadros depressivos para poder encaminhar as gestantes aos tratamentos psicoterápicos o quanto antes.

Fatores de Risco da Depressão Perinatal

Diferentes fatores podem aumentar o risco do desenvolvimento desse quadro clínico. Entre eles, podemos listar questões psicológicas e sociodemográficas:

  • gravidez indesejada ou não planejada;
  • histórico de episódios depressivos;
  • violência doméstica;
  • falta de apoio familiar;
  • dificuldades financeiras.

É fundamental agir com celeridade e não aguardar que a sintomatologia esteja bem definida para encaminhar a gestante ou puérpera para tratamento especializado. O aconselhamento precoce é uma estratégia que rende bons resultados para a redução das chances de desenvolvimento da depressão pós-parto. 

Os principais métodos terapêuticos compreendidos são a psicoterapia interpessoal e a terapia cognitivo-comportamental.

Compartilhe suas sensações e pensamentos com as pessoas de sua confiança, não hesite em procurar ajuda e sempre siga as recomendações dos profissionais de saúde.