Cólica incapacitante não é normal

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Cólica incapacitante não é normal

Explicaremos neste artigo que sofrer com cólica incapacitante não dever ser considerado algo dentro da normalidade

Muitas mulheres cresceram ouvindo que sofrer com as cólicas menstruais é algo normal e que deveriam se acostumar ou, até mesmo, “deixar de frescura”.

Nos dias de hoje ainda há muita desinformação sobre o tema e isso é extremamente prejudicial para a saúde feminina e para a qualidade de vida de incontáveis jovens e adultas.

A grande questão é que a dor é uma sensação subjetiva e o seu limiar varia entre as mulheres, por isso é tão difícil mensurar ou comparar incômodos.

Uma pesquisa feita pelo Ibope apontou que 76% das mulheres brasileiras apresentam quadros de dismenorreia (cólicas menstruais) e 80% delas afirmam que a qualidade de vida fica bastante comprometida durante o período menstrual.

Para compreendermos melhor a questão, é necessário explicar que existem dois tipos de cólicas: primária e secundária.

A cólica primária é causada pela liberação do hormônio prostaglandina, responsável por estimular a contração uterina, movimento necessário para expelir em forma de sangue o endométrio que descama da parede uterina quando não ocorre a fecundação do óvulo.

Essa compressão do útero constringe nervos e vasos sanguíneos da região e, por causa disso, a mulher sente as dores em cólica no baixo ventre.

A cólica secundária, que demanda uma atenção especial, é a manifestação sintomática de alguma patologia no aparelho reprodutor feminino como a endometriose, pólipos, miomas, infecções sexualmente transmissíveis e processos inflamatórios pélvicos.

Há cólicas tão intensas que podem provocar diarreias, vômitos e até desmaios. Porém, essa dores e desconfortos severos não devem ser encarados como algo natural.

Esse tipo de cólica, que impede mulheres de trabalhar, ir à escola e realizar as atividades triviais do dia a dia, inclusive andar, precisa ter sua causa investigada.

Portanto, é de extrema importância buscar assistência médica especializada ao sentir cólicas excruciantes.

Cólica Incapacitante e Endometriose

Segundo a Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia), aproximadamente 80% das pacientes com endometriose sofrem com cólicas severas e incapacitantes.

A endometriose é caracterizada pela presença de fragmentos do endométrio fora do útero. Essas células endometriais podem se instalar na bexiga, intestino, ovários, tubas uterinas, na região pélvica e outros órgãos.

Muitas vezes esse quadro clínico causa fluxos mais intensos e as menstruações podem durar até 7 dias. Outra característica comum é o sangue menstrual apresentar uma tonalidade mais escura e aspecto coagulado.

Essa é uma doença que demora a ser diagnosticada, em média 6 anos após o início dos sintomas. Isso acontece porque leva bastante tempo até que alterações visíveis possam ser detectadas nos exames de imagem.

Portanto, viemos reforçar a importância de realizar as consultas e exames ginecológicos de rotina. Salientamos também que, caso você sinta cólicas muito intensas, que te impeçam de trabalhar, ir às aulas e realizar suas atividades cotidianas, procure assistência médica imediatamente.

Não esqueça: sua saúde deve ser prioridade.