Alimentação e Miomas Uterinos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Alimentação e Miomas Uterinos

Neste artigo iremos explicar a correlação entre alimentação e miomas uterinos e como esse debate científico ainda pode e deve avançar bastante. Confira!

É certo que os nutrientes, ou a falta deles, influenciam diretamente nossa saúde e bem-estar. Há muito tempo pesquisadores buscam compreender as possíveis relações entre os alimentos e as mais variadas doenças do corpo humano.

Também por isso, os conhecimentos de profissionais de outras áreas da saúde, como a nutrição por exemplo, contribuem sobremaneira para o sucesso dos tratamentos de endometriose, miomas uterinos, dor pélvica crônica e outras doenças femininas.

No caso dos miomas uterinos, mesmo que ainda não saibamos ao certo suas causas, existem estudos que indicam que os fatores modificáveis de estilo de vida, como alimentação e exercício físico, têm potencial para aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida das pacientes.

A dieta realmente interfere no desenvolvimento do mioma?

Mais de uma década atrás, um estudo publicado no periódico Obstetrics & Gynecology apontou que os miomas uterinos estavam associados ao consumo de presunto e carne vermelha e também indicou que vegetais verdes podem possuir efeito protetivo contra os miomas.

Contudo, é necessário enfatizar que os estudos publicados até hoje são observacionais e, de certa forma, limitados.

Todavia, é bem provável que uma dieta adequada diminui as chances de surgimento de miomas em mulheres com alto risco de desenvolvê-los. 

Várias pesquisas publicadas nos últimos anos demonstram evidências adicionais de que os fatores alimentares podem, de fato, influenciar o crescimento dos miomas, o que estimula a continuidade dos estudos nessa área promissora.

A seguir iremos listar algumas dicas importantes sobre a relação entre alimentação e miomas uterinos:

Cuidado com o índice glicêmico

Acredita-se que consumir alimentos com alto índice glicêmico – medida dos efeitos dos carboidratos nos níveis de glicose no sangue – pode potencialmente promover o crescimento dos miomas uterinos, aumentando as concentrações endógenas de fator de crescimento semelhante à insulina. 

Exemplos de alimentos de alto índice glicêmico incluem arroz branco, pão branco, bolos, doces em geral, batatas fritas, etc.

Estudos in vitro demonstraram que as células fibróides uterinas proliferam na presença de hormônios associados à presença elevada de insulina no organismo.

E a soja?

As evidências científicas por trás do papel da soja na promoção ou inibição do crescimento de tumores dependentes de estrogênio são dispersas e conflitantes. 

A soja é uma fonte rica em fitoestrogênios, especificamente isoflavonas, que podem competir com o estrogênio pela ligação aos receptores, possivelmente diminuindo a disponibilidade de estrogênio ou alterando sua biossíntese.

Na edição de janeiro da Experimental and Molecular Medicine, cientistas relataram que altas concentrações de genisteína (uma isoflavona abundante na soja) regulam negativamente vários genes envolvidos no crescimento de miomas uterinos, sugerindo que altas doses desta isoflavona têm um efeito inibitório sobre as lesões e, portanto, um potencial para ser usado como um agente terapêutico em seu tratamento.

O fato é que mesmo com notícias promissoras, ainda há muito a ser debatido e investigado quando o assunto é alimentação e miomas uterinos. 

Nossa equipe mantém-se atualizada e sempre disponível para esclarecer qualquer dúvida que possa surgir.

Permita-se o cuidado com a saúde que você merece.

Clínica Ayroza Ribeiro, sua saúde em primeiro lugar.