A endometriose e os Direitos da Mulher

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
A endometriose e os Direitos da Mulher

Por Profa. Dra. Helizabet Salomão

O dia 08 de março é uma efeméride política, de reconhecimento à mulher que luta por seus direitos. Nesse contexto, várias iniciativas internacionais que pleiteiam políticas públicas para tratar a mulher com endometriose lançaram há cerca de cinco anos, o movimento chamado “Março Amarelo”. Mulheres europeias, recentemente iniciaram uma campanha nas redes sociais com a hashtag “#1em10”, referindo-se à proporção de mulheres com a doença, que chega a ser de uma para  10 mulheres jovens, em idade produtiva e reprodutiva. Em pelo menos 60 países, no dia 24 de março, são realizadas caminhadas e atos públicos para chamar a atenção da sociedade. 

Os direitos das mulheres em relação às conquistas de carreira e competitividade no trabalho têm sido alvo de lutas seculares e suas conquistas variam de patamar nas diversas  partes do mundo.

Uma das lutas mais difíceis dessas mulheres que têm buscado um posicionamento de carreira e conquistas no trabalho, entretanto, não está nas leis trabalhistas de qualquer país do mundo. O maior embate social das mulheres modernas, ao que parece, está em relação à endometriose.  

A doença foi identificada em 1869, mas só em 1921 passou a ser descrita pela comunidade médica. Suas causas, entretanto, ainda são objeto de estudos inconclusivos. Sabe-se apenas que o hormônio estrogênio, presente em alta escala nas mulheres jovens, seria o responsável pela progressão da doença. 

Jovens a partir de 12 anos, na primeira menstruação, já podem manifestar a doença, que consiste basicamente, na presença de tecido endometrial fora do útero. A maioria das mulheres com a doença relata dores muito fortes no período menstrual, nas relações sexuais e até para evacuar.

O problema dessas mulheres estaria sob controle médico e poderia ser tratado se essas dores fossem melhor investigadas. Há estudos que apontam, entretanto, que há uma demora de pelo seis anos entre a manifestação dos sintomas e o diagnóstico, propriamente. As razões para este atraso, em g